O que é a Lógica ?


Assim, de uma forma directa e inesperada, me interpelou uma vez numa tertúlia alguém que sabia muito mais do que eu. Preocupava-o (creio) que estivéssemos falando de uma coisa sem realmente a compreender. Não me recordo do que na altura disse, mas creio que terei defendido que a lógica é, em última instância, ontologia.

Muitos anos passados, respondendo ao convite, que muito me honra, para colaborar na «Homo Viator», retomo o tema.

O que é então a lógica? E porque é esta questão importante?

Não existe propriamente uma definição académica sobre o que seja a lógica. Em primeiro lugar, tal deve-se ao facto de não haver, entre diferentes escolas de pensamento, um acordo acerca do “objecto” da lógica (o pensamento?, as regras do raciocínio válido? as condições de possibilidade do conhecimento? a realidade?). Mas, se nos posicionarmos num plano ainda anterior às decisões das escolas (ou sistemas) quanto ao problema (realismo, idealismo, nominalismo, epistemologia), verificamos uma outra coisa: é que a definição é desde logo uma forma ou expressão do tipo de pensamento lógico. Adiante desenvolveremos um pouco mais este ponto.

Textos de Francisco Saraiva

Voltar à 1ªPágina


Do organon da lógica à lógica transcendental


No anterior texto, “O que é a lógica”, elaborei acerca da essência da lógica, propondo que ela se radica e fundamenta na essência do homem (um animal racional ou uma alma em que reside o logos). De acordo com esta tese, a lógica, buscando responder à questão da essência das coisas (ou dos entes), constitui-se numa ontologia.

A lógica das origens (Sócrates, Platão e Aristóteles), procurando um desvelamento do ser através do diálogo, do exame da linguagem e do silogismo, encontrou uma convergência ou correspondência entre os princípios ou formas do pensamento e os princípios estruturantes da realidade. Isso mesmo verificamos nos princípios fundamentais da lógica, nomeadamente identidade e princípio de razão suficiente ou causal. O mesmo nexo de necessidade das leis do pensamento se encontrava na realidade. Nessa medida, a lógica se constituira numa ontologia, palavra que é habitualmente definida como ciência do ser mas que pode também ser compreendida como “o logos do ser” ou “a relação do ser ao logos”.