O “UDJAT” E A VIAGEM DA ALMA
NA EPOPEIA DOS MARES

A nau “Frol dela Mar”, de Estevão da Gama, da rota da Índia em 1502, a mesma nau onde Afonso de Albuquerque viria a naufragar quando regressava da conquista de Malaca, era “alterosa em castelos e a mais formidável”, segundo consta do “Livro das Armadas”.

Embora o desconhecido autor desse códice se movesse dentro da órbita dos iluminadores e portulanos das cartas de marear da época – as reproduções dos navios eram decalcadas sobre uma escassa dezena de modelos, modificando-se-lhe apenas os nomes  -  verifica-se no entanto haver em uma das reproduções da “Flor do Mar” dois olhos abertos  e pintados nas obras mortas em cada um dos costados do castelo da proa.

Ora este símbolo apotropaico, apesar da sua vulgaridade figurativa – não consta em outras gravuras ou desenhos conhecidos das naus e caravelas portuguesas dos séc. XV e XVI, mas aparece ainda hoje frequentemente em identica composição e disposição nos barcos de pesca da nossa orla maritima e na rede fluvial, tanto nos saveiros da Costa Nova (Ílhavo), como em Sines, tanto nos caíques da Costa da Caparica, da Nazaré e do Garbe lusitano, como nas fragatas, faluas e varinas do Tejo.

(excerto)

clique aqui para ler o texto completo

Textos de Jorge Filgeiras:
Voltar à 1ªPágina

O «Udjat» e a viagem da alma na epopeia dos mares