Sumário

 

Um tema piramidal

 

O Ser.

Ser e Estar.

O Todo e Tudo.

O Tempo e o Espaço.

A Unicidade e a Multiplicidade.

O problema do Mesmo e do Outro.

 

A controversa disciplina

 

A disiciplina de Ontologia, se tivermos por certa a tradução de “ontos” por “ser”, merece um lugar primacial na Filosofia? É certo que a Ontologia é uma disciplina controversa para muitos pensadores, que lançaram as suas críticas e suspeitas sobre tal temática.

 

Temos de reconhecer que o Ser é um tema tão abrangente e universal que permite, ou determina, que nele se faça a síntese de todos os sentidos e significados de todos os processos de conhecimento, convergindo irresistivelmente para esta densidade de buraco negro o sentido de todos os conceitos e acções. Ora, esta “convergência” ou síntese é geradora potencial de algumas inconveniências que a História evidencia:

- As Academias Filosóficas que substancializaram a noção de Ser, como aconteceu em diversas épocas, coisificando-a depois numa Razão Universal que conduz à tentação Escolástica e Autoritária - a formulação definitiva de um “saber dos saberes”, sistema fechado numa qualquer axiomática ou dogmática e que servia os Poderosos do momento.

- Contrariando e equilibrando a tentação escolástica e autoritária, tivemos as atitudes de cepticismo críticista e relativista, tanto de filósofos como de sábios de outros saberes, como a Ciência, a Arte ou a Religião, atitudes que hostilizaram e tentaram frustrar qualquer esforço para refazer uma visão holística e integrada, síntese constitutiva de uma possível “filosofia perennis” que desempenhe o papel de imutável guardiã das últimas noções do Ser.

 

Nesse sentido, a Filosofia pode ser vista como a Arte de Conhecer o Ser.

A prática dessa Arte, segundo algumas tradições, passa pelo exercíco de libertação das limitações dos sentidos e da razão, para se conseguir activar a enteléquia humana e iniciar o caminho noético.

A diferença entre o caminho noético e o caminho dialéctico é comparável à diferença entre a velhice e a adolescência: a adolescência é impulsionada pelo princípio, pela força vital que vai do nascer ao crescer, a velhice é, não já impulsionada, mas atraída pelo fim, a força da vida que vem da morte a que se destina e da quietude da perfeição.

 

Neste sentido, a Filosofia pode ser vista como uma Arte de Saber Morrer.

 

Primeiro exercício

 

O Grego Protágoras afirmou: o homem é a medida de todas as coisas, do ser das que são, enquanto são, e do não-ser das que não são, enquanto não são.

 

Libertar a inteligência das medidas e da extensão, através da compilação de suficientes medidas e escalas para permitir alcançar as seguintes duas conclusões:

- todas as medidas são relativas à escala a que se reportam, e

- todas as escalas são relativas à mente que as engendra.

 

Dimensão do Diâmetro do Universo

 

O diâmetro do Universo (estimado) é de 20 mil milhões (biliões americanos…) de “anos luz”.

Como a velocidade da luz é = 299.792.458 metros por segundo, e

(como 1 hora são 3600 seg) a velocidade da luz é = 1.079.252.848,8 Km por hora, e

(como 1 dia são 24 horas e um ano são 365 dias) a velocidade da luz é = 9.454.254.955.488 Km por ano.

 

 

A velocidade da luz, portanto, é de nove biliões, quatrocentos e cinquenta e quatro mil, duzentos e cinquenta e quatro milhões, novecentos e cinquenta e cinco mil quatrocentos e oitenta e oito quilómetros por ano.

 

O diâmetro do Universo mede 20.000.000.000 X 9.454.254.955.488 Km = 189.085.099.109.760.000.000.000 Km, ou seja

 

O diâmetro (estimado) do Universo mede cento e oitenta e nove mil e 85 triliões, noventa e nove mil cento e nove biliões e setecentos e sessenta mil milhões de Km.

 

 

Quantidades de estrelas e galáxias

 

Há cerca de mil milhões, ou um bilião, de galáxias no Universo.

Há cerca de 70 mil triliões (70.000.000.000.000.000.000.000) de estrelas no Universo.

 

A nossa Galáxia (Via Láctea) tem cerca de 100.000.000.000 de estrelas.

 

Atravessar a Via Láctea à velocidade da luz demora cem mil anos.

 

 

 

Corpo Humano

 

O corpo humano é composto de 30 tipos diferentes de células. Num adulto, o número total de células é de cem trilióes.

 

Algumas células são tão pequenas (ex: espematozóides) que dentro da letra O cabem cerca de 1.000.

 

Mas se ligarmos pelas extremidades todas as células do corpo, obtemos uma corrente que daria 200 vezes a volta à Terra.

 

A membrana celular tem cerca de 0,08 microns de espessura, mas reconhece centenas de diferentes substâncias, controlando a sua entrada ou saída da célula.

No citoplasma ocorrem, a cada momento, mais de vinte reacções quimicas, sendo cumpridas cinco funções principais: comunicação, ejecção de dejectos, nutrição, reparação e reprodução.

No citoplasma encontram-se mais de 1.000 mitocondrias que fornecem energia à célula. O núcleo tem dentro de si o aparato genético da célula – os cromossomas e genes contendo o famoso ácido deoxirobonucleico, a supermolécula que se apresenta copmo uma vistosa espiral e chamamos DNA. Nela, estão armazenadas informações para a execução de mais de mil milhões de acções bioquímicas.

O DNA faz, em dimensão microscópica, o que, em tecnologia macrocóspica, os humanos ainda não conseguem fazer – a retenção química de informação.

Por um lado, se transcrevessemos em linguagem falada a informação contida numa única célula de DNA humano, preencheríamos mil volumes de seiscentas páginas.

Por outro, se guardássemos em células de DNA toda a informação genética necessária para reproduzir uma réplica de toda a humanidade actual (mais de cinco mil milhões de pessoas), o volume dessas células náo excederia um copo de água.